Siga:

8/9/202209:08:52

Índice CEAGESP encerrou agosto com alta de 1,28%


- Descrição do Índice

O índice de preços da CEAGESP terminou o mês de agosto com alta de 1,28%, encerrando uma sequência de quatro meses de quedas consecutivas. Mesmo com este resultado, o índice acumula uma queda de 13,08%, considerando-se os meses de abril a agosto deste ano. Durante este mesmo período, o setor de Verduras acumula uma queda de preços de 38,49% e de 6,91% em 12 meses.

Setorização

O setor de FRUTAS apresentou uma alta nos preços de 5,16%. Dos 38 itens cotados nesta cesta de produtos, 63,16% apresentaram variação positiva de preços. As principais altas ocorreram nos preços de LIMÃO TAITI (+78,73%), MARACUJÁ AZEDO (+25,68%), GOIABA BRANCA (+19,74%), ABACATE FORTUNA (+18,26%) e GOIABA VERMELHA (+16,62%). As principais reduções ocorreram nos preços de MELANCIA (-27,97%), MORANGO COMUM (-27,00%), MAMÃO HAVAÍ (-25,72%), MANGA TOMMY ATKINS (-19,25%) e MAMÃO FORMOSA (-16,23%).

DESTAQUES: A alta do setor de FRUTAS acabou sendo fortemente puxada pela elevação de preço do LIMÃO TAITI, devido ao início do período de entressafra do produto, refletindo-se em forte valorização no mercado atacadista. Entre os dias 03 e 19/08, o preço do limão taiti apresentou uma valorização média de 60,48%.

O setor de LEGUMES apresentou uma queda nos preços de 3,95%. Dos 33 itens cotados nesta cesta de produtos, 57,56% apresentaram variação negativa de preços. As principais reduções ocorreram nos preços de VAGEM MACARRÃO CURTA (-27,50%), JILÓ (-24,03%), PEPINO COMUM (-20,50%), BERINJELA JAPONESA (-19,84%) e ABOBRINHA BRASILEIRA (-14,51%). As principais altas ocorreram nos preços do PIMENTÃO AMARELO (+48,96%), QUIABO LISO (+46,54%), PIMENTÃO VERMELHO (+38,65%), BATATA-DOCE ROSADA (+28,44%) e TOMATE CAQUI (+14,70%).

DESTAQUES: Os principais produtos responsáveis pela queda do setor de LEGUMES em agosto acabaram sendo a VAGEM e o JILÓ. Estes dois produtos apresentaram um bom volume de oferta no Entreposto. Na comparação com o mês anterior, a vagem apresentou um aumento de 23,32% na oferta, enquanto o jiló teve um aumento na oferta de 42,58%. O principal motivo para este cenário de aumento no volume de oferta foi principalmente a estabilização do clima, que trouxe boas condições de plantio, colheita e maturação dos produtos.

O setor de VERDURAS apresentou uma queda nos preços de 10,57%. Dos 38 itens cotados nesta cesta de produtos, 76,32% apresentaram uma variação negativa de preços. As principais reduções ocorreram nos preços de COENTRO (-28,84%), ALMEIRÃO (-28,06%), ESPINAFRE (-27,75%), ESCAROLA (-27,58%) e COUVE MANTEIGA (-25,55%). As principais altas ocorreram nos preços de MILHO VERDE (+18,68%), BRÓCOLOS COMUM (+11,92%), ALHO-PORÓ (+6,17%), SALSÃO BRANCO/VERDE (+4,97%) e AGRIÃO (+4,44%).

DESTAQUES: Embora o setor de VERDURAS tenha apresentado uma forte queda, o que chamou a atenção para o período foi a elevação média no preço do MILHO VERDE. O produto apresentou problemas na produção em regiões próximas a capital e isso fez com que sua procedência se deslocasse para regiões mais distantes, como o estado do Espírito Santo. Com isso, o custo do transporte acabou refletindo no aumento de preços.

O setor de DIVERSOS apresentou estabilidade nos preços. As principais altas ocorreram nos preços de CEBOLA NACIONAL (+12,36%), OVOS BRANCOS (+7,95%) e OVOS VERMELHOS (+4,20%). As principais reduções ocorreram nos preços de BATATA LAVADA (-20,59%), ALHO NACIONAL (-5,53%), ALHO IMPORTADO (-5,07%), COCO SECO (-2,38%) e AMENDOIM COM CASCA (-1,99%).

DESTAQUES: A cebola se manteve com oferta estável (+0,38%) no mês de agosto. Entretanto, a demanda externa da Argentina pelo produto fez com que os preços no mercado interno se elevassem. No caso dos ovos, os custos de produção do milho e da soja pressionaram os preços no mês de agosto. Por outro lado, a boa oferta de safra da batata lavada serviu para equilibrar o índice de preços do setor.

O setor de PESCADOS apresentou uma queda nos preços de 3,42%. Dos 28 itens cotados nesta cesta de produtos 60,71% apresentaram uma variação negativa de preços. As principais reduções ocorreram nos preços de CORVINA (-32,04%), PESCADA TORTINHA (-26,32%), CAÇÃO CONGELADO (-25,63%), LULA CONGELADA (-22,26%), PESCADA GOETE (-8,60%). As principais altas ocorreram nos preços de SARDINHA FRESCA (+16,33%), CASCOTE (+16,13%), ATUM (+13,75%), NAMORADO (+12,02%) e ROBALO (+4,44%).

DESTAQUES: O setor de PESCADOS segue com estabilidade na oferta e na demanda dos produtos.

- Tendência do Índice

Caso se confirmem no mês de setembro as previsões de clima mais seco nas principais regiões produtoras (interior de São Paulo, região do Triângulo Mineiro e noroeste de Minas), a oferta de produtos mais sensíveis a esta condição climática pode ser afetada. Algumas frutas de época (periodicidade sazonal), que são de característica mais precoce (pêssego, nectarina etc.), começarão a ter entrada no Entreposto da capital, o aumento da procura e da concorrência dos produtos importados faz com que estes itens, na etapa inicial de safra, consigam preços mais elevados, podendo contribuir com a elevação do índice no setor de Frutas. Nos demais setores, principalmente nos de Verduras e Legumes, a previsão é de estabilidade.


Agosto - 2022

CategoriaÍndice %
Geral1,28%
Frutas5,16%
Legumes-3,95%
Verduras-10,57%
Diversos*0,02%
Pescados-3,42%




Enviar para um amigo

Mensagem enviada com sucesso!

Seu Nome:
E-mail do Amigo:

Comunicar um erro

Mensagem enviada com sucesso!

Seu E-mail:
Comunique o erro:
Versão para impressão Enviar para um amigo Comunicar um erro

Outros Índices de 2022:

Veja também: